Abster-se na votação da reforma fez PSL expulsar Alexandre Frota

Um dos deputados federais mais bem votados em SP, já recebeu convite de partidos como DEM, PSDB, Podemos, MDB e PP


Publicado em: 14/08/19 às 6:58 por Johny Lucena | BR104 | Atualizado em 14/08/2019 às 10:56



Alexandre Frota é expulso do PSL — © Internet

Política — O Partido Social Liberal (PSL) expulsou o deputado federal Alexandre Frota (SP) de seus quadros da legenda na manhã desta terça-feira (13). Nos últimos dias Frota vinha fazendo duras críticas à legenda e também ao governo de Jair Bolsonaro.

O pedido de expulsão partiu da deputada Carla Zambelli (SP), e ganhou forças após os deputados(a) Caroline di Toni (SC), Bia Kicis (DF) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (SP), sub-escreverem o pedido. Além dos deputados, o senador Major Olímpio (SP) também exigiu o afastamento definitivo do deputado.

Frota é o terceiro deputado mais bem votado da sigla no Estado de São Paulo. Sua situação ficou mais complicada no partido após ter dito que o presidente Jair Bolsonaro é sua “maior decepção” e com a indicação de seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para embaixador brasileiro em Washington, o presidente estava representando a “velha política brasileira”.

+ Prefeito de Penedo, Marcius Beltrão é condenado por improbidade administrativa

O rompimento do deputado com o governo veio logo após o parlamentar ter sua indicação à Ancine vetada definitivamente pelo Planalto. Em março deste ano o governo chegou a congelar todos os nomes indicados pela parlamentar para a agência.

Com suas indicações congeladas, Frota vinha culpando desde o início os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e Osmar Terra, Cidadania, além de destilar inúmeras críticas ao governo Bolsonaro.

A justificativa do partido no afastamento do deputado foi o descumprimentos em relação as diretrizes partidárias ao se abster na votação da reforma da Previdência.

Na semana passada uma reportagem compartilhada nas redes sociais de Frota trais duras críticas do parlamentar ao presidente Bolsonaro e seu filho, relatando os laços de familiares de empregados nomeados por eles desde 1991.

Frota também atacou Zambelli por conta da deputada o criticar por se aproximar do governo de São Paulo, João Doria, do PSDB.

Entre as inúmeras alfinetadas o nome de Major Olímpio também aparece entre os criticados por Frota. Segundo o deputado o senador instalou uma “milícia de ex-PMs” no PSL. Irritado, Olímpio pediu a expulsão do deputado; os dois vinham brigando por um espaço na estrutura do partido.