publicidade
publicidade
Justiça

Trabalho escravo ainda é realidade em Alagoas; em 2018, 90 vítimas foram resgatadas

117 alagoanos foram flagrados nas mesmas condições em outros estados brasileiros

Publicado: | Atualizado em 31/01/2019 16:05


publicidade
publicidade
publicidade
117 alagoanos foram flagrados nas mesmas condições em outros estados brasileiros (Crédito:  Cícero R. C. Omena)
117 alagoanos foram flagrados nas mesmas condições em outros estados brasileiros (Crédito: Cícero R. C. Omena)

Em pleno século XXI, o trabalho escravo ainda continua sendo uma realidade no país. Segundo dados da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), em 2018, o número de trabalhadores flagrados em condições análogas às de escravo no país chegou a 1.723. Em Alagoas, no mesmo ano, 90 trabalhadores foram resgatados em condições semelhantes à escravidão.

Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT/AL), além desses 90 trabalhadores resgatados no estado, 117 trabalhadores alagoanos foram resgatados nas mesmas condições em outros estados brasileiros. Dados do Observatório Digital do Trabalho Escravo mostram ainda que, no período de aproximadamente 15 anos, 1380 trabalhadores alagoanos foram resgatados em outros estados da federação, em condições de trabalho forçado, jornada exaustiva ou com restrição de locomoção em razão de dívida – fatores que caracterizam o trabalho análogo à escravidão.

A coordenadora de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete), procuradora do Ministério Público do Trabalho Lys Sobral Cardoso, afirmou que os casos de trabalho escravo urbano têm como um dos fatores o êxodo rural, que continua acontecendo no país. “Os trabalhadores continuam saindo do meio rural para o meio urbano. Por falta de oportunidades, eles se sujeitam a qualquer oferta de trabalho que surge, o que aumenta sua vulnerabilidade”, explicou a procuradora.

No ano passado, no Brasil, o Ministério Público do Trabalho (MPT) recebeu 1.251 denúncias, ajuizou 101 ações civis públicas e celebrou 259 Termos de Ajuste de Conduta (TACs) relacionados ao trabalho escravo.

+ Procurador do Estado ataca jornalistas alagoanos: ‘vagabundos’; Sindjornal emite nota de repúdio

Perfil dos resgatados em AL

O Observatório Digital do Trabalho Escravo traz mais um dado: dos egressos alagoanos resgatados em condições análogas à escravidão, 39% estudaram apenas até o 5º ano do ensino fundamental. Já 33% eram analfabetos.

Ainda de acordo com dados retirados do observatório digital, 935 trabalhadores resgatados (67,7%) laboravam em atividades agropecuárias, enquanto 211 empregados explorados trabalhavam na cultura da cana-de-açúcar, o que equivale a 15,2% dos alagoanos resgatados.

Já a maior prevalência de resgates aconteceu no município de Feira Grande, com 90 casos de trabalho escravo. Dos alagoanos resgatados fora do estado, 35 trabalhadores eram naturais do município de Arapiraca.

* com Ascom MPT

publicidade
veja também

Juíza Lígia Seabra | © Adeildo Lobo
Justiça
União dos Palmares: Juíza Lígia Seabra toma posse no Juizado Especial

A magistrada era titular da vara única de São Sebastião, unidade de primeira entrância com maior entrada de processos.


Júri condena pai e filho a mais de 17 anos de prisão por homicídio | © Reprodução
Justiça
Júri condena pai e filho a mais de 17 anos de prisão por homicídio

Carlos foi condenado a mais de 17 anos de reclusão. Já Luiz, que é pai dele, foi apenado com 18 anos e nove meses de reclusão.


Deputado Davi Davino Filho - @Divulgação
Justiça
Campanha do PP/AL em 2020 usou quase R$ 100 mil de forma irregular, diz procurador

Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, o partido usou quase R$ 100 mil do Fundo Especial para custear campanha de vereadores de outros partidos.


CCJ | © Billy Boss
Justiça
CCJ aprova PEC que prevê o fim da aposentadoria compulsória para juízes como pena

A PEC 163/2012 tem o objetivo de acabar com a pena de aposentadoria compulsória com salário proporcional ao tempo de serviço.


Imagem ilustrativa de homem algemado | © Reprodução
Justiça
Homem que matou outro a facãozadas é condenado a 12 anos de prisão

A decisão foi tomada pelo Tribunal do Júri da 8ª Vara Criminal de Maceió, conduzido pela juíza Lívia Maria Mattos.


publicidade