Justiça

Trabalho escravo ainda é realidade em Alagoas; em 2018, 90 vítimas foram resgatadas

117 alagoanos foram flagrados nas mesmas condições em outros estados brasileiros

Publicado: | Atualizado em 31/01/2019 16:05


117 alagoanos foram flagrados nas mesmas condições em outros estados brasileiros (Crédito:  Cícero R. C. Omena)
117 alagoanos foram flagrados nas mesmas condições em outros estados brasileiros (Crédito: Cícero R. C. Omena)

Em pleno século XXI, o trabalho escravo ainda continua sendo uma realidade no país. Segundo dados da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), em 2018, o número de trabalhadores flagrados em condições análogas às de escravo no país chegou a 1.723. Em Alagoas, no mesmo ano, 90 trabalhadores foram resgatados em condições semelhantes à escravidão.

Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT/AL), além desses 90 trabalhadores resgatados no estado, 117 trabalhadores alagoanos foram resgatados nas mesmas condições em outros estados brasileiros. Dados do Observatório Digital do Trabalho Escravo mostram ainda que, no período de aproximadamente 15 anos, 1380 trabalhadores alagoanos foram resgatados em outros estados da federação, em condições de trabalho forçado, jornada exaustiva ou com restrição de locomoção em razão de dívida – fatores que caracterizam o trabalho análogo à escravidão.

A coordenadora de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete), procuradora do Ministério Público do Trabalho Lys Sobral Cardoso, afirmou que os casos de trabalho escravo urbano têm como um dos fatores o êxodo rural, que continua acontecendo no país. “Os trabalhadores continuam saindo do meio rural para o meio urbano. Por falta de oportunidades, eles se sujeitam a qualquer oferta de trabalho que surge, o que aumenta sua vulnerabilidade”, explicou a procuradora.

No ano passado, no Brasil, o Ministério Público do Trabalho (MPT) recebeu 1.251 denúncias, ajuizou 101 ações civis públicas e celebrou 259 Termos de Ajuste de Conduta (TACs) relacionados ao trabalho escravo.

+ Procurador do Estado ataca jornalistas alagoanos: ‘vagabundos’; Sindjornal emite nota de repúdio

Perfil dos resgatados em AL

O Observatório Digital do Trabalho Escravo traz mais um dado: dos egressos alagoanos resgatados em condições análogas à escravidão, 39% estudaram apenas até o 5º ano do ensino fundamental. Já 33% eram analfabetos.

Ainda de acordo com dados retirados do observatório digital, 935 trabalhadores resgatados (67,7%) laboravam em atividades agropecuárias, enquanto 211 empregados explorados trabalhavam na cultura da cana-de-açúcar, o que equivale a 15,2% dos alagoanos resgatados.

Já a maior prevalência de resgates aconteceu no município de Feira Grande, com 90 casos de trabalho escravo. Dos alagoanos resgatados fora do estado, 35 trabalhadores eram naturais do município de Arapiraca.

* com Ascom MPT


Comentários


    Entre para nossos grupos

    Telegram
    Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
    WhatsApp
    Entre e receba as notícias do dia
    Entrar no Grupo


 
 
 
Especiais

Especial
Livro ensina técnica de leitura usada por Sherlock Holmes para expandir a memória

Aprenda a Melhorar sua Memória, Lendo até 10 Vezes Mais Rápido e Retendo Até 100% do Conteúdo


veja também

Ex-policial militar Samuel da Silva foi condenado a 38 anos e seis meses de reclusão
Justiça
Ex-PM que matou jovem em carnaval de Murici é condenado a 38 anos de reclusão

Bruno Macena foi assassinado durante uma confusão no desfile do Bloco Tudo Azul, em 2012, em Murici.


Matheus Soares Omena dos Santos confessou ter matado o próprio filho | @ Reprodução
Justiça
Caso Anthony: pai que matou filho envenenado vira réu

Além disso, o acusado também pode perder o direito de exercer seu papel de pai, uma vez que sua atual companheira está grávida.


Usina Laginha - @Reprodução
Justiça
Juíza que atua no caso da Usina Laginha é afastada pela Corregedoria

O TJ/AL ainda não se pronunciou oficialmente sobre a decisão. A juíza Emanuela Porangaba também não comentou o caso até o momento.


Pai do Anthony planejou o crime sozinho | @ Reprodução
Justiça
Caso Anthony: pai que envenenou filho de 4 anos é indiciado por homicídio qualificado

O crime tem sido tratado pela polícia como homicídio qualificado majorado em 2/3 pela criança ter menos de 14 anos de idade.


Verde Alagoas - @Reprodução
Justiça
Justiça proíbe Verde Alagoas de cobrar consumidor por média de consumo

O processo tramita sob o número 0700435-32.2024.8.02.0010.