publicidade
publicidade
Justiça

Coordenadoria de Infância e da Juventude apresenta projeto de incentivo a adoção tardia

Os vídeos institucionais poderão ser veiculados em meios de comunicação a fim de sensibilizar as pessoas sobre o tema

Publicado: | Atualizado em 27/01/2019 09:03


publicidade
publicidade
publicidade
Os vídeos institucionais poderão ser veiculados em meios de comunicação a fim de sensibilizar as pessoas sobre o tema (Crédito Lia de PaulaAgência Senado)
Os vídeos institucionais poderão ser veiculados em meios de comunicação a fim de sensibilizar as pessoas sobre o tema (Crédito Lia de PaulaAgência Senado)

Belíssimo projeto, vai ser um sucesso absoluto”. Foi com essa frase que o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), Tutmés Airan de Albuquerque, elogiou o projeto apresentado pela juíza Fátima Pirauá, coordenadora de Infância e Juventude do Judiciário alagoano, que visa gravar depoimentos de crianças acima de sete anos e adolescentes sobre a vida deles e o sonho de ter uma família.

De acordo com a coordenadora, os vídeos, produzidos pela TV Tribunal, da Diretoria de Comunicação do TJAL, serão exibidos para adotantes e poderão ser veiculados em meios de comunicação a fim de sensibilizar as pessoas sobre a adoção tardia.

“Eu não tenho a menor dúvida, porque tem uma carga emocionante muito grande e toca o coração das pessoas. O desejo deles, o olhar, as palavras, o gesto, tudo isso é uma súplica. O desejo de ter uma família, um acolhimento, um abraço, um carinho, uma perspectiva de futuro, isso que é decisivo. E a gente pode dar um pouco mais de nós a essas pessoas”, disse o presidente Tutmés Airan após assistir a alguns dos vídeos já produzidos.

A magistrada, que chefia a Coordenadoria Estadual da Infância e da Juventude de Alagoas (CEIJ) e a 28ª Vara Cível da Capital (Infância e Juventude), destacou a importância do tema e explicou que esta é uma forma de dar visibilidade aos que estão acolhidos nos abrigos e não fazem parte da faixa etária de preferência dos adotantes. Para Fátima Pirauá, se os interessados conhecerem todos que estão disponíveis para adoção, as chances deles ganharem um lar aumenta significativamente.

“Essas crianças maiores também têm o direito de ter uma família substituta, e têm também um monte de afeto no coração, esperando para passar para essas pessoas que já têm intenção de adotar, embora, no seu perfil, elas não queiram crianças maiores. Vendo os vídeos, ouvindo esses adolescentes e essas crianças, certamente, vão se sensibilizar. A adoção tardia, como a gente chama com uma idade mais avançada, é possível de acontecer e pode ser tão benéfica para o adolescente ou para a criança que vai ser adotada, quanto para o casal, para a família, para a pessoa que vai adotar”, explicou a magistrada.

O presidente Tutmés Airan também explicou que os depoimentos poderão ser exibidos para outras pessoas. “A ideia é que esses vídeos possam ganhar a TV aberta, eu vou procurá-las para ver se a gente veicula. Há também uma outra ideia de envolvimento dos clubes de futebol de massa, como CSA, CRB, e o meu ASA de Arapiraca. Vamos nos engajar todos, para ver se a gente consegue dar vasão a essa torrente de sentimentos e de desejos de ser adotado”, disse.

Ainda de acordo com a juíza Fátima Pirauá, existem mais de 80 crianças e adolescentes acolhidas em abrigos e cerca de 80% delas estão fora da faixa etária preferida pelos adotantes. “São esses para quem a gente deve dirigir agora o nosso olhar, para conseguir que eles tenham esse direito constitucional. E, com certeza, as pessoas que se sensibilizarem e que desejarem adotar essas crianças maiores e esses adolescentes, terão sim a recompensa imensa que é ser muito amado por eles e por elas que lá estão esperando este momento”, finalizou.

A promotora de justiça que atua na 28ª Vara Cível da Capital, Marluce Caldas, o diretor de Comunicação do TJAL, Maikel Marques, e servidores também participaram da reunião.

*com Dicom/AL
publicidade
veja também

Juíza Lígia Seabra | © Adeildo Lobo
Justiça
União dos Palmares: Juíza Lígia Seabra toma posse no Juizado Especial

A magistrada era titular da vara única de São Sebastião, unidade de primeira entrância com maior entrada de processos.


Júri condena pai e filho a mais de 17 anos de prisão por homicídio | © Reprodução
Justiça
Júri condena pai e filho a mais de 17 anos de prisão por homicídio

Carlos foi condenado a mais de 17 anos de reclusão. Já Luiz, que é pai dele, foi apenado com 18 anos e nove meses de reclusão.


Deputado Davi Davino Filho - @Divulgação
Justiça
Campanha do PP/AL em 2020 usou quase R$ 100 mil de forma irregular, diz procurador

Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, o partido usou quase R$ 100 mil do Fundo Especial para custear campanha de vereadores de outros partidos.


CCJ | © Billy Boss
Justiça
CCJ aprova PEC que prevê o fim da aposentadoria compulsória para juízes como pena

A PEC 163/2012 tem o objetivo de acabar com a pena de aposentadoria compulsória com salário proporcional ao tempo de serviço.


Imagem ilustrativa de homem algemado | © Reprodução
Justiça
Homem que matou outro a facãozadas é condenado a 12 anos de prisão

A decisão foi tomada pelo Tribunal do Júri da 8ª Vara Criminal de Maceió, conduzido pela juíza Lívia Maria Mattos.


publicidade