Rafael Tenório pretende defender PL “clube-empresa” em Brasília

O presidente do CSA disse que no futebol brasileiro tem muito amadorismo


Publicado em: 03/10/19 às 14:59 por Johny Lucena | BR104 | Atualizado em 03/10/2019 às 15:01



Rafael Tenório pretende defender clube-empresa em Brasília — © Augusto Oliveira

Esporte — O presidente do CSA Rafael Tenório, vai apresentar sugestões em uma discussão que agrega ideias a respeito do Projeto de Lie clube-empresa, que acontece no próximo dia (9), em Brasília. Tenório já afirmou que defende a mudança tratada no PL e disse que o futebol brasileiro tem muito amadorismo.

Vamos falar também sobre legislação, direitos dos atletas… Nós vamos debater para ver se profissionaliza a gestão de clube de futebol. Não se pode estar brincando, como nós sabemos que a maioria brinca aí. Há quatro anos, estávamos completamente quebrados, falidos, com uma gestão. Os clubes precisam ser tratados como uma verdadeira empresa, já que são. Eles têm CNPJ para isso“, ressalta o presidente do clube azulino. Que também é suplente de Renan Calheiros.

+ CSA tem 7 partidas no mês de outubro pela Série A do Brasileirão

As mudanças alteram a visão de alguns clubes como o CSA, por exemplo, que deixaria a agremiação esportiva que trabalha sem fins lucrativos e passaria a contar com ações de investidores. Lembrando que o CSA já recebeu proposta de investidores da China e Estados Unidos.

Rafael Tenório afirmou também que já existe projetos para o clube alagoano independente do futuro dele na Série A do Campeonato Brasileiro. Segundo ele, o treinador Argel Fucks está envolvido nos projeto futuros do clube.

Ele é o cara ideal para o nosso projeto, tanto da permanência como da não permanência. Nós temos dois projetos prontos, e eu não abro mão. Vamos seguir dessa forma e vamos lutar até a última rodada pela permanência do CSA. Acontecendo nossa permanência, o Argel está no nosso plano futuro. Independentemente de resultado, eu não demito o treinador“, finalizo Tenório.

A nova medida tributário

Um dos motivos nos quais os clubes não migraram ainda da estrutura de associação civil para sociedade anônima, esta na desvantagem de alguns no pagamento de imposto. Nesse caso, a associação não é obrigada a pagar IRPJ e CSLL muito menos alíquotas reduzidas de PIS e Cofins. Já a outra, paga essas alíquotas cheias.