publicidade
publicidade
Saúde

População deve ficar atenta para os riscos de picadas de escorpião no verão

O Ministério da Saúde não recomenda o uso de produtos químicos como pesticidas para o controle de escorpiões

Publicado: | Atualizado em 14/01/2019 13:03


publicidade
publicidade
publicidade
O ministério não recomenda o uso de produtos químicos como pesticidas para o controle de escorpiões (Crédito: Divulgação)
O ministério não recomenda o uso de produtos químicos como pesticidas para o controle de escorpiões (Crédito: Divulgação)

Saúde – A prevenção é simples: começa pela limpeza do ambiente. Essa é apenas uma das maneiras de se prevenir contra picadas de escorpiões, que são bem comuns durante o período do verão, segundo o Ministério da Saúde. Essa época exige maior cuidado dos brasileiros em relação aos acidentes com esses animais, já que o clima úmido e quente é considerado ideal para o aparecimento desse tipo de animal peçonhento, que se abriga em esgotos e entulhos.

Os cuidados começam dentro de casa. Uma das orientações do MS para evitar a entrada de escorpiões em casas e apartamentos é usar telas em ralos de chão, pias e tanques, além de vedar frestas nas paredes e colocar soleiras nas portas. Além disso, deve-se afastar camas e berços das paredes e vistoriar roupas e calçados antes de usá-los. Já em áreas externas, a principal dica é manter jardins e quintais livres de entulhos, folhas secas e lixo doméstico.

O acúmulo de lixo nas residências também é um fator importante a ser evitado, já que o entulho resulta no aparecimento de baratas, que servem de alimento para esse tipo de animal peçonhento. É importante manter todo o lixo da residência em sacos plásticos bem fechados.

Outra recomendação é manter o gramado sempre aparado, não colocar a mão em buracos, embaixo de pedras ou em troncos apodrecidos e usar luvas e botas de raspas de couro na hora de manusear entulhos e materiais de construção e em atividades de jardinagem.

+ Precisou de emergência? Saiba qual unidade hospitalar buscar para receber atendimento

O ministério não recomenda o uso de produtos químicos como pesticidas para o controle de escorpiões. “Estes produtos, além de não possuírem, até o momento, eficácia comprovada para o controle do animal em ambiente urbano, podem fazer com que eles deixem seus esconderijos, aumentando a chance de acidentes”, informou.

Populações mais expostas

Os grupos considerados mais vulneráveis são trabalhadores da construção civil, crianças e demais pessoas que permanecem grande parte do tempo dentro de casa ou nos arredores e quintais. Nas áreas urbanas, também estão sujeitos a picadas trabalhadores de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, que manuseiam objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar escondidos.

Acidentes

A maioria dos acidentes com escorpiões, segundo a pasta, é leve, com quadro de início rápido e duração limitada. Nessas situações, a pessoa apresenta dor imediata, vermelhidão, inchaço leve por acúmulo de líquido e sudorese localizada, com tratamento sintomático.

Crianças abaixo de 7 anos têm mais chance de apresentar sintomas como vômito e diarreia, principalmente quando picadas por escorpião-amarelo, que pode levar a casos graves e requer a aplicação do soro em tempo adequado.

As recomendações incluem ir imediatamente ao hospital de referência mais próximo e, se possível, levar o animal ou uma foto para identificação da espécie. Limpar o local da picada com água e sabão, de acordo com o ministério, pode ser uma medida auxiliar, desde que não atrase a ida ao serviço de saúde.

A lista de hospitais de referência para utilização do soro antiescorpiônico pode ser acessada aqui.

Números

Dados do ministério mostram que, em 2018, foram contabilizados 141,4 mil casos de acidentes com escorpiões no Brasil. Em 2017, foram 125 mil registros. Os números, de acordo com a paasta, ainda são preliminares e serão revisados. Em 2016, foram 91,7 mil notificações. Em relação às mortes, 115 óbitos foram registrados em 2016 e 88 em 2017.

*com Agência Brasil
publicidade
veja também

Enfermeira vacinando criança – © Assessoria
Saúde
Covid-19: SESAU alerta sobre aumento de casos em crianças

O comunicado foi divulgado nesta terça-feira (21/06), por meio das redes sociais da SESAU.


Equipes monitoram terrenos baldios na Capital | © Assessoria
Maceió
Fiscalização em terrenos baldios intensificam combate ao Aedes aegypti em Maceió

Município já emitiu 43 notificações e mantém sob monitoramento mais de 2.300 terrenos.



Variola dos Macacos - @Reprodução
Saúde
Varíola dos macacos e Covid-19; especialista explica a relação de transmissão

Para a infectologista Luana Araújo, "a varíola dos macacos está longe de ser como a [transmissibilidade] da Covid".


Aline Barbirato e Marcy Nobre | © Assessoria
Saúde
Odontólogas empreendem na pandemia e se tornam referência em harmonização facial

Elas tiveram que enfrentar desafios, como saber conciliar a rotina do trabalho com as tarefas domésticas e a assistência à família.


publicidade