publicidade
publicidade
Política

Veja quais deputados alagoanos votaram a favor da alteração do ICMS

O texto foi aprovado na noite desta quarta-feira (13/10) e segue agora para aprovação no Senado.

Publicado: | Atualizado em 14/10/2021 09:20


Presidente da Câmara, Arthur Lira – © Reprodução
Presidente da Câmara, Arthur Lira – © Reprodução

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (13/10) o projeto de lei que fixa o valor do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis no Brasil. Cerca de 392 parlamentares votarão a favor, 71 contra e houve ainda 2 abstenções na votação.

Agora, o texto segue para análise do Senado. Em Alagoas, além do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), os deputados Marx Beltrão (PSD), Nivaldo Albuquerque (PTB), Paulão (PT), Pedro Vilela (PSDB), Sérgio Toledo (PL) e Severino Pessoa (Republicanos) votaram a favor da proposta.

De acordo com o relator substituto, deputado Dr Jaziel (PL-CE), as mudanças no texto prevê uma redução final de em média 8% para a gasolina comum, 7% para o etanol hidratado e 3,7% para o diesel B.

– A medida colaborará para a simplificação do modelo de exigência do imposto, bem como para uma maior estabilidade nos preços desses produtos – disse o parlamentar.

veja também


Jair Bolsonaro deve cumprir pelo menos duas agendas em Alagoas — © Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Política
Bolsonaro mentiu sobre redução no preço dos combustíveis, aponta Petrobrás

A companhia emitiu uma nota explicando que "não antecipa decisões de reajuste".


Heloísa Helena - Divulgação
Eleições 2022
Heloísa Helena pode ser candidata a deputada federal pelo DF

A ex-senadora por Alagoas está morando novamente em Brasília.


Governador Renan Filho | © BR104
Alagoas
Renan Filho vai a Miami com Marcelo Victor e presidente do TJ/AL assume o governo

Depois do evento, o governador vai tirar férias com a família.


Senado Federal – © Reprodução
Política
Senado aprova em dois turnos a PEC dos Precatórios

Devido a alterações, o texto voltará a ser apreciado pela Câmara dos Deputados, caso não haja novas mudanças, seguirá para sanção presidencial.