STF aceita denúncia de corrupção contra o deputado federal Arthur Lira

O deputado está sendo acusado por ter aceito dinheiro para ajudar o presidente da CBTU, Francisco Colombo a permanecer no cargo


Publicado em: 09/10/19 às 9:49 por Johny Lucena | BR104 | Atualizado em 09/10/2019 às 9:49



STF aceita denúncia de corrupção contra o deputado federal Arthur Lira — © Divulgação

Política — O Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou uma denuncia contra o deputado federal Arthur Lira (PP-AL). Ele esta sendo acusado de corrupção passiva por ter aceitado dinheiro de propina em 2012. A denúncia contra o parlamentar foi acatada pelo Supremo na tarde desta terça-feira (7).

A denúncia faz parte de um desdobramento da Operação Lava Jato e teve a Procuradoria-Geral da República como a principal denunciante.

Uma quantia referente ao valor de R$ 106 mil paga por Francisco Colombo, presidente da Companhia Brasileira de Transporte Urbano (CBTU), foi destinada ao parlamentar para que ele ajudasse Colombo, a permanecer em seu respectivo cargo.

+ Manchas no litoral do Nordeste podem ter sido colocadas criminalmente, diz Bolsonaro

A decisão que segue a diante pela 1ª turma da Corte não necessariamente refere-se a uma condenação do parlamentar. Ela deve passar por um processo que irá coletar informações de testemunhas e provas. Posteriormente a isso, a Corte julgará a ação podendo condenar ou absolver o deputado.

A denúncia foi acatada por Marcos Aurélio Mello, Rosa Weber, e Alexandre de Moraes que votaram a favor do recebimento da denúncia fazendo com que a maioria aceitassem o caso.

Prisão do assessor de Lira 

A Polícia Federal abordou o assessor do deputado no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, antes de sua viagem destinada a Brasília. Na época, foi constado que ele estava transportando escondido nas roupas o valor de R$ 106 mil.

Em meio a abordagem o assessor chegou a dizer que o valor era referente a uma quantia de sua conta poupança, e finalizou dizendo que o dinheiro não tinha ligação nenhuma com o parlamentar.

Para o relator do inquérito, ministro Marcos Aurélio, o caso não trata-se de uma acusação de lavagem de dinheiro, mas aceitou a denúncia como crime de corrupção.

“Cumpre viabilizar, sob o crivo do contraditório, que o tema de fundo da imputação com vista à obtenção da vantagem ilícita seja analisado“.

Marco Aurélio, disse ainda que para haver uma associação do crime de corrupção com o de lavagem de dinheiro é necessário está caracterizado com a existência de crimes antecedentes que dê aspecto ao dinheiro.