Candidato a presidência na Argentina chama Bolsonaro de racista

Líder da chapa de Cristina Kirchner responde a Bolsonaro e o chama de 'racista, misógino e violento'


Publicado em: 14/08/19 às 7:16 por Johny Lucena | BR104 | Atualizado em 14/08/2019 às 7:16



Alberto Fernández chama Bolsonaro de 'racista, misógino e violento' — © HO / AFP

Política —  O vencedor das primárias eleitorais na Argentina, no último final de semana, Alberto Fernández respondeu às críticas de Jair Bolsonaro em uma entrevista ao programa de TV argentino Corea del Centro. Fernández disse que o presidente brasileiro é “um racista, um misógino e um violento que é a favor da tortura.

Na ocasião, o argentino chegou a defender Lula, afirmando que gostaria de dizer a Bolsonaro que “Lula deveria estar livre para poder concorrer a uma eleição com ele.

O argentino veio ao Brasil no início de julho para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão, em Curitiba. O petista é um aliado histórico dos Kirchneristas. Nessa segunda-feira (12), o jornal folha de S. Paulo destacou também a opinião de Fernández a respeito do ministro da justiça Sérgio Moro: “como posso acreditar na sentença de um juiz que depois vira ministro do candidato que era rival de Lula?.

+ Abster-se na votação da reforma fez PSL expulsar Alexandre Frota

Por outro lado, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que não tem pretensão de romper unilateralmente com a Argentina caso Alberto Fernández ganhe a eleição. Na ocasião, Bolsonaro disse que Fernández já deu sinais de que pode rever a participação do país no Mercosul e a relação entre Brasil e Argentina deve ser “conflituosa” se o mesmo for eleito.

A gente vai ver como é que fica a situação. Ninguém quer, eu não quero romper unilateralmente, mas ele mesmo, o candidato cujo partido ganhou as prévias, falou que quer rever o Mercosul. Esse é o primeiro sinalizador de que vai ser uma situação bastante conflituosa”, disse Bolsonaro após chegar ao Palácio da Alvorada.