Após divulgação do áudio ligando o PCC ao PT, Gleisi processará Moro

A presidente do PT encaminhará ainda nesta segunda-feira (12), uma ação contra as acusações do ministro


Publicado em: 12/08/19 às 16:06 por Johny Lucena | BR104 | Atualizado em 12/08/2019 às 16:06



PT vai processar Moro por áudio do PCC — © Internet

Política — O Partido dos Trabalhadores (PT) anunciou em nota nesse domingo (11), em seu site que “o partido vai promover ações contra a falsa acusação coordenada pela polícia de Sérgio Moro, além de pedidos de Direito de Resposta contra jornais“.

Além de Moro, o partido também pretende mover uma ação judicial contra os investigadores da Polícia Federal responsável pela interceptação dos áudios no qual um preso do Primeiro Comando da Capital (PCC) foi flagrado dizendo que a facção mantinha diálogos com membros do partido.

Após os conteúdos serem divulgados, o PT se defende afirmando que se trata de uma perseguição “forjada”contra a sigla e que “vem no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas“.

+ “Lula não que ir para regime semiaberto”, afirma advogado do ex-presidente

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, se posicionou a respeito do caso e por meio de seu Twitter afirmou: “o que estamos vendo é uma escalada autoritária, que começa exatamente assim, com o uso político das polícias. Vamos enfrentar essa prática e fazer este embate em todas as frentes, judicial, midiática, política, até a verdade prevalecer“.

Ainda sobre a nota publicada o partido afirma que: “Moro tem de ser urgentemente afastado das funções de Ministro da Justiça, pois vem usando, sistematicamente a Polícia Federal com objetivos políticos e mentindo sobre condução dos trabalhos da força policial, sendo seu papel coibir e solicitar investigações sobre tais tipos de vazamentos e não fomentá-los. Na ação são imputados a Moro os crimes de prevaricação e abuso de autoridade“.

Caso

+ Em nota, Zé Alfredo comenta decisão do TRE/AL

Uma escuta telefônica interceptada pela Polícia Federal em abril deste ano, mostra uma conversa entre dois presos sobre as transferências de 22 membros da cúpula da facção para o sistema penitenciário federal realizada em fevereiro deste ano, por meio de uma ação conjunta entre o governo de São Paulo e o Ministério da Justiça.

Os áudios mostram a conversa entre Alexandro Pereira, conhecido como Elias, se queixando do papel que Sérgio Moro vem mantendo com a remoção dos líderes da facção, presos em Presidente Venceslau, interior de São Paulo.

Conversa

Os caras tão no começo do mandato dos cara, você acha que os cara já começou o mandato mexendo com nois irmão. Já mexendo diretamente com a cúpula, irmão. (…) Então, se os cara começou mexendo com quem estava na linha de frente, os caras já entrou falando o quê? ‘Com nois já não tem diálogo, não, mano. Se vocês estava tendo diálogo com outros, que tava na frente, com nois já não vai ter diálogo, não’. Esse Moro aí, esse cara é um filha da puta, mano. Ele veio pra atrasar. Ele começou a atrasar quando foi pra cima do PT. Pra você ver, o PT com nois tinha diálogo. O PT tinha diálogo com nois cabuloso, mano, porque… situação que nem dá pra nois ficar conversado a caminhada aqui pelo telefone, mano” [SIC], disse Elias, conforme o áudio transcrito pela PF.