Policial

Justiça condena genro que estuprava a sogra cadeirante de 78 anos em União dos Palmares

Os crimes começaram em 2018, quando o casal foi morar com a idosa.

Publicado: | Atualizado em 27/04/2024 10:29


Mão de pessoa idosa | © Ilustração/Reprodução/Internet
Mão de pessoa idosa | © Ilustração/Reprodução/Internet

Um homem foi condenado a mais de 23 anos de prisão por uma série de crimes cometidos contra sua sogra de 78 anos, incluindo estupro de vulnerável, cárcere privado e maus-tratos. A sentença foi proferida pela juíza Lígia Mont’Alverne Jucá Seabra, do Juizado Especial Cível e Criminal e de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Comarca de União dos Palmares.

O acusado, que teve sua prisão preventiva mantida, deverá iniciar o cumprimento da pena em regime fechado, sem o direito de recorrer em liberdade.

A filha da vítima, por sua vez, foi condenada a quatro anos e quatro meses de reclusão, dois meses e 20 dias de detenção e igualmente ao pagamento de 80 dias-multa. Ela responde pelos crimes de cárcere privado, maus-tratos e apropriação de bens da mãe.

A juíza Lígia Seabra também estabeleceu uma reparação mínima por danos morais no valor de R$ 50 mil em favor da vítima, destacando o testemunho da idosa como um “elemento de convicção” significativo para a condenação.

Detalhes dos abusos

Os crimes começaram em 2018, quando o casal foi morar com a idosa. Aproveitando-se da vulnerabilidade da vítima, que é cadeirante e necessita de cuidados especiais, o genro cometia os abusos durante a noite enquanto a esposa vendia bebidas alcoólicas. Segundo relatos da vítima, ela era deixada sozinha e trancada, sendo frequentemente abusada sexualmente pelo genro.

Além disso, a senhora relatou que sua filha presenciava os abusos, mas não intervinha por ser ameaçada pelo marido. Em uma das ocasiões, desesperada, a vítima conseguiu contatar outro filho para resgatá-la, após ouvir ameaças de morte do casal.

Apropriação de Bens e Consequências Físicas e Psicológicas

A idosa também sofreu com a apropriação indevida de seus bens financeiros, incluindo dois salários e um empréstimo bancário no valor de R$ 50 mil feito sem sua autorização. Testemunhas afirmaram que ela era frequentemente deixada sem alimentação e trancada.

Como resultado dos abusos e da violência sofrida, a vítima agora necessita de medicações devido ao trauma psicológico experimentado, ilustrando a gravidade dos crimes cometidos pelo casal contra ela.


Comentários


    Entre para nossos grupos

    Telegram
    Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
    WhatsApp
    Entre e receba as notícias do dia
    Entrar no Grupo


 
 
 
Especiais

Especial
Livro ensina técnica de leitura usada por Sherlock Holmes para expandir a memória

Aprenda a Melhorar sua Memória, Lendo até 10 Vezes Mais Rápido e Retendo Até 100% do Conteúdo


veja também

Adriana, vítima de atropelamento em União dos Palmares - @Reprodução
Policial
10 dias: Polícia ainda não apresentou o culpado pela morte da ciclista, em União

Dez dias após o crime, a população de União dos Palmares espera que a Polícia Civil apresente o culpado e faça justiça pela morte de Adriana.


Casa onde o adolescente matou os pais e a irmã - @Reprodução
Policial
Adolescente mata os pais e irmã após ser proibido de usar o celular

O jovem permaneceu na residência com os corpos durante o fim de semana e só confessou o crime devido ao forte cheiro de decomposição.


Arma de fogo na cena do crime - @Reprodução
Policial
Alagoas registrou 400 mortes violentas de janeiro a abril; Veja onde foram os crimes

De janeiro a abril de 2024, foram registrados 7 casos de feminicídios, com uma leve concentração em Maceió e Arapiraca.


Homem preso em Ibateguara - @Reprodução
Policial
Homem invade casa em Ibateguara, tenta estuprar adolescente e acaba preso

Ele foi identificado como F. M. S. e conduzido ao Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) em Murici, onde foi autuado e permaneceu preso.


Vítima do agressor - @Reprodução
Policial
Homem é preso por espancar companheira em União dos Palmares

A vítima, cujo nome foi preservado por questões de segurança, recebeu atendimento médico e psicológico e está sendo acompanhada pelas autoridades competentes.