Polícia Federal e FBI prendem morador do DF, acusado de praticar crimes na Dark Web

Além de vendas de produtos ilícitos, o acusado ajudou mais de 15 mil pessoas a comprar produtos ilegais na Dark Web


Publicado em: 09/05/19 às 10:36 por Johny Lucena | Atualizado em 09/05/2019 às 10:45


Operação da Polícia Federal com o FBI prendeu israelense que morava em Brasília (Créditos: Imagem/Ilustrativa)

Mundo – Uma ação conjunta entre o Departamento de Polícia Federal e o Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos (FBI), passaram a investigar as ações criminosas de um grupo de jovens que cometiam praticas ilícitas na Dark Web. Nesta segunda-feira (6), um dos principais alvos da investigação foi preso, um israelense que mora no Brasil, em Lago Sul (Brasília).

A polícia conseguiu executar a prisão do estrangeiro no Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris (França). No momento da ação policial, a PF realizava uma busca e apreensão na residência do mesmo. O homem não teve seu nome divulgado por questões investigativas, os policiais encontraram em sua casa dispositivos usados para guardar (criptomoedas) e cerca de R$ 200 mil em espécie (entre moedas estrangeiras e reais).

+ Facebook exclui páginas de Alex Jones e outros extremistas dos Estados Unidos

De acordo com o Departamento da Polícia Federal, o homem administrava um site na internet usado para praticar crimes online, entre eles: tráfico de drogas e armas, contrabando e lavagem de dinheiro. Ainda segundo a PF, ele disponibilizava conteúdos como tutorias de como aderir produtos ilícitos de forma segura na internet, tais como: drogas, medicamentos ilegais, dados bancários, ferramentas utilizadas para hackers etc.

Além disso, ele oferecia endereços e estruía os interessados para que os mesmo se desviassem da polícia no ato da compra. As investigações policiais mostraram que o homem passava a ganhar por cada transação realizada na Dark Web, que eram executadas por meio do site. As investigações também indicaram que ele passou a ajudar cerca de 15 mil usuários a realizarem compras de produtos ilegais.

+ Deep Web: Como funciona o outro lado da internet mundial?

Essa não é a primeira vez que o israelense detido passa a ser alvo de uma operação da Polícia Federal. Em outubro de 2018, a PF passou a investigar as práticas de crimes de pornografia infantil no qual ele estava envolvido.

Na época, a Polícia Federal conseguiu apreender cerca de R$ 1 milhão em especie na residência dele em Brasília, além disso, os Agentes Federais também apreenderam notebooks e smartphones.