Animais silvestres são devolvidos à natureza em ação da FPI

Os animais devolvidos à natureza passaram por acolhimento e tratamento em um centro de triagem provisório


Publicado em: 07/08/19 às 16:02 por Redação | BR104 | Atualizado em 07/08/2019 às 16:02



Ação aconteceu após tratamento em centro provisório especializado — © Jonathan Lins/Ascom MPE-AL

Meio Ambiente — Na manhã desta quarta-feira (7), 114 animais silvestres tiveram a sua liberdade devolvida após serem resgatados pela Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) da Bacia do São Francisco, coordenada pelo Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL).

Os animais devolvidos à natureza foram resgatados durante os primeiros dias de atividades da força-tarefa, e passaram por acolhimento e tratamento no centro de triagem provisório montado em Santana de Ipanema, no Sertão alagoano.

Pássaros das espécies galo de campina, extravagante, rolinha e azulão, além de preás e até uma jiboia foram devolvidos à natureza na região do Alto Sertão alagoano, pela equipe de fauna da FPI, formada por técnicos do IMA, IBAMA, IPMA (Instituto de Preservação da Mata Atlântica) e as ONGs Animalia e SOS Mata Atlântica.

Epitacio Correia, coordenador da equipe fauna e gerente de fauna, flora e de unidades de conservação do IMA, explicou que “a área escolhida precisa ter uma margem de segurança , longe da área urbana. Além disso, o local deve ser preservado para que haja meios de sobrevivência para os bichos, principalmente nos primeiros dias, se adaptar de uma maneira mais confortável”.

+ Bombeiros são acionados para resgatar gato preso entre paredes em União

Os animais capturados pela nona etapa da FPI são encaminhados para o centro de triagem onde recebem os devidos cuidados veterinários que incluem alimentação, hidratação, desverminação e suplementação vitamínica. “Na triagem é feita a contabilização das espécies e iniciado o atendimento veterinário com avaliação do estado físico, comportamental”, completa Epitacio.

Alguns animais, dos mais de 200 capturados pela fiscalização e entregues voluntariamente à FPI, irão precisar de um período maior de cuidados veterinários já que estavam fracos com fraturas de asa e outros membros. Estes passarão por uma série de cuidados especiais até que tenham condições de voltar à natureza.