publicidade
publicidade
Justiça

TRE/AL julga pedido de cassação dos mandatos de vereadores de União dos Palmares

Os vereadores do MDB foram acusados de fraude à cota de gênero

Publicado: | Atualizado em 28/07/2022 11:06


Almiro Belo, Sandro Jorge e Jailson Vicente
Almiro Belo, Sandro Jorge e Jailson Vicente

Os desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL) julgaram no último dia 11 de julho, o Recurso em Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE), interposto pelo Partido CIDADANIA, contra sentença proferida pelo Juízo da 21ª Zona Eleitoral de União dos Palmares, que julgou improcedente o pedido que buscava a perda dos mandatos dos vereadores do MDB; Sandro Jorge, Jailson Vicente e Almir Belo, além das suplentes; Ewelly Rubyllene Gomes da Silva Alves e Ana Cláudia Ferreira da Silva.

De acordo com a denúncia do Cidadania, o diretório do MDB em União teria cometido fraude à quota de gênero (exigência do mínimo de 30% de candidaturas para cada sexo, do total de candidatos lançados pelo MDB, nas eleições proporcionais), apontando que as supostas “candidatas laranjas” (EWELLY RUBYLLENE GOMES DA SILVA ALVES, com 5 votos; e ANA CLÁUDIA FERREIRA DA SILVA, com 4 votos) não obtiveram votos em suas próprias seções eleitorais.

Diz ainda a denúncia, que as referidas candidatas não realizaram nenhum ato de campanha, nem mesmo em redes sociais, não produziram material gráfico (adesivos, santinhos etc), e não participaram de comício, carreata, panfletagem, visita a eleitores etc.

Ainda segundo o CIDADANIA, elas não fizeram nenhum gasto de campanha (combustível, dentre outros), pelo fato de supostamente serem fictícias/fraudulentas, e enfatiza que as candidatas supostamente fictícias tiveram o mesmo advogado e contador em seus correspondentes processos de prestação de contas, de forma a robustecer a fraude perpetrada.

Aponta ainda que o MDB teria lançado 21 candidatos ao cargo de Vereador, sendo 14 homens e 7 mulheres. Contudo, considerando-se como fraudulentas as duas candidaturas, o partido não teria alcançado o percentual mínimo da quota de gênero feminino.

Por essa razão e sob esses argumentos, o Cidadania pediu na justiça a cassação dos diplomas e dos mandatos eletivos dos vereadores eleitos pelo MDB, requerendo que sejam declarados nulos os votos obtidos pelo partido, com a retotalização dos votos e novos cálculos dos quocientes eleitoral e partidário. Pede ainda a inelegibilidade por 8 anos dos Recorridos.

A AIJE já havia sido julgada improcedente pelo Juízo de primeiro grau por entender não ter havido prova da alegada fraude.

O que dizem os vereadores

A defesa dos vereadores Sandro Jorge, Jailson Vicente e Almir Belo, apontaram as seguintes alegações sobre as denuncias:

a) as candidatas EWELLY RUBYLLENE e ANA CLÁUDIA teriam participado ativamente da disputa eleitoral para si, em atos de campanha, a exemplo de: “corpo a corpo”, rede social e pediram votos a eleitores. Além disso, receberam doações de pessoas físicas e da candidatura majoritária;

b) fizeram atos de campanha com material gráfico de propaganda “casada” do candidato a prefeito KIL, do MDB;

c) a baixa votação dessas 2 candidatas, ora Suplentes, não poderia ser erigida como indício de fraude, mesmo porque esse fato ocorreu em outros partidos no pleito de 2020 daquela localidade, inclusive no próprio Recorrente (partido CIDADANIA: Bruna Alves, com 7 votos; e Izaura Souza, com 5 votos);

d) tiveram dificuldades na campanha, decorrente da ausência de parcos recursos financeiros para custeio de gastos e maior engajamento;

e) não fizeram campanha e nem pediram votos para outros candidatos a Vereador (para terceiros), descacterizando-se, pois, a alegação de candidaturas fictícias;

f) o Recorrente apenas estar-se-ia fundado em meras especulações e presunções, sem demonstrar a existência de fraude.

A decisão

De acordo com o Desembargador Eleitoral, Sérgio de Abreu Brito, relator do processo, a defesa dos vereadores apresentou fotografias e todas as provas por ela citadas, além de terem sido ouvidas testemunhas.

“Diante desse frágil quadro probatório, não há como se caracterizar a fraude à lei. Ou seja, não há prova segura da transgressão aos postulados constitucionais da normalidade e legitimidade das eleições (§ 9º do art. 14 da CF/88).” diz um trecho do relatório.

Por fim, o relator diz que não vislumbra “o emprego de meio ardiloso para se obter resultado proibido em lei, ludibriando-se os interessados. Na verdade, a quota mínima de gênero feminino foi atendida e não se teve o intento de se beneficiar indevidamente as candidaturas masculinas dos candidatos a vereador efetivamente eleitos.”

Ele conclui dizendo que vota em “negar provimento ao apelo, mantendo os mandatos dos eleitos e sem decretar a inelegibilidade de nenhum dos candidatos do MDB.”

O voto do relator foi seguido pelos desembargadores, que acordaram a unanimidade de votos em manter os mandatos dos parlamentares, rejeitando o pedido sem decretar a inelegibilidade de nenhum dos candidatos do MDB.

veja também


Fabricia e Zé da Galera | © Reprodução
Justiça
TJ/AL nega recurso e vereadores são afastados por improbidade em São José da Laje

Além de Fabricia e Zé da Galera, funcionários da Câmara de Vereadores da cidade, já afastados, também estão respondendo ao processo.


Juiz Yulli Roter e desembargador Klever Loureiro - DICOM
Justiça
Juiz Yulli Roter Maia deixa 2ª Vara de União dos Palmares

O magistrado foi empossado pelo desembargador Klever Loureiro na 7ª Vara Criminal de Maceió (Tribunal do Júri).


Desembargador Otávio Leão Praxedes — © Caio Loureiro
Justiça
Desembargador Otávio Praxedes se afasta do Tribunal de Justiça de Alagoas

Praxedes vai se dedicar, exclusivamente, às suas atividades como presidente do Tribunal Regional Eleitoral durante as eleições.


Juíza Lígia Seabra | © Adeildo Lobo
Justiça
União dos Palmares: Juíza Lígia Seabra toma posse no Juizado Especial

A magistrada era titular da vara única de São Sebastião, unidade de primeira entrância com maior entrada de processos.