publicidade
publicidade
Justiça

STF retoma julgamento sobre criminalização da homofobia nesta segunda-feira

A análise começou na semana passada e foi suspensa após a primeira parte do voto do relator, ministro Celso de Mello

Publicado: | Atualizado em 20/02/2019 10:36


A análise começou na semana passada e foi suspensa após a primeira parte do voto do relator, ministro Celso de Mello (Crédito: José Cruz/Agência Brasil)
A análise começou na semana passada e foi suspensa após a primeira parte do voto do relator, ministro Celso de Mello (Crédito: José Cruz/Agência Brasil)

Suspenso durante o voto do relator, ministro Celso de Mello, o Supremo Tribunal Federal (STF) retoma hoje (20), a partir das 14h, o julgamento da ação protocolada pelo PPS para criminalizar a homofobia, que é caracterizada pelo preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais). Será a terceira sessão seguida para o julgamento da questão.

Até o momento, o ministro reconheceu a omissão do Congresso Nacional ao não criminalizar a homofobia desde a promulgação de Constituição, em 1988. A possibilidade de criminalização é debatida na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) nº 26, protocolada em 2013.

Celso de Mello entendeu que há inércia do Congresso ao não aprovar uma lei para proteger a comunidade LGBT de agressões e preconceitos. Dessa forma, a Corte poderá conceder um prazo para o Congresso aprovar uma lei sobre a matéria.

Na sessão de hoje, após a parte final do voto do relator, devem votar o ministro Edson Fachin, relator de outra ação sobre o tema, além dos ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e o presidente, Dias Toffoli.

+ Jair Bolsonaro anuncia leilão de seis aeroportos no Nordeste

Julgamento

A partir da ação protocolada pelo PPS, os ministros devem definir se o Supremo pode criar regras temporárias para punir agressores do público LGBT, devido à falta de aprovação da matéria no Congresso Nacional.

Pelo atual ordenamento jurídico, a tipificação de crimes cabe ao Poder Legislativo, responsável pela criação das leis. O crime de homofobia não está tipificado na legislação penal brasileira.

No entendimento do PPS, a minoria LGBT deve ser incluída no conceito de “raça social”, e os agressores, punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um a cinco anos de reclusão, de acordo com a conduta.

*Agência Brasil
veja também

Desembargador Otávio Leão Praxedes — © Caio Loureiro
Justiça
Desembargador Otávio Praxedes se afasta do Tribunal de Justiça de Alagoas

Praxedes vai se dedicar, exclusivamente, às suas atividades como presidente do Tribunal Regional Eleitoral durante as eleições.


Juíza Lígia Seabra | © Adeildo Lobo
Justiça
União dos Palmares: Juíza Lígia Seabra toma posse no Juizado Especial

A magistrada era titular da vara única de São Sebastião, unidade de primeira entrância com maior entrada de processos.


Júri condena pai e filho a mais de 17 anos de prisão por homicídio | © Reprodução
Justiça
Júri condena pai e filho a mais de 17 anos de prisão por homicídio

Carlos foi condenado a mais de 17 anos de reclusão. Já Luiz, que é pai dele, foi apenado com 18 anos e nove meses de reclusão.


Deputado Davi Davino Filho - @Divulgação
Justiça
Campanha do PP/AL em 2020 usou quase R$ 100 mil de forma irregular, diz procurador

Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, o partido usou quase R$ 100 mil do Fundo Especial para custear campanha de vereadores de outros partidos.


CCJ | © Billy Boss
Justiça
CCJ aprova PEC que prevê o fim da aposentadoria compulsória para juízes como pena

A PEC 163/2012 tem o objetivo de acabar com a pena de aposentadoria compulsória com salário proporcional ao tempo de serviço.