publicidade
publicidade
Eleições 2022

Mano sobre ser vice de Collor; “Estou pronto para contribuir”

O ex-governador disse que nunca foi consultado sobre essa possibilidade

Publicado: | Atualizado em 25/07/2022 12:37


Manoel Gomes de Barros - @BR104
Manoel Gomes de Barros - @BR104

O ex-governador Manoel Gomes de Barros (PL), que na semana passada foi citado como um possível nome para vice de Fernando Collor na disputa ao governo de Alagoas, disse estar a disposição para servir o estado.

Embora o presidente do PL, Leonardo Dias, tenha dito ao BR104 que oficialmente não houve qualquer articulação nesse sentido, Mano, que foi adversáio político de Collor por 38 anos, contou que soube dessa conversa através da imprensa, mas negou que tenha sido consultado sobre essa possibilidade.

Experiente, Mano disse que se o convite chegasse estaria pronto para contribuir. A notícia repercutiu nas redes sociais e embora tenha provocado muitas criticas por parte de internautas que não simpatizam com Collor e com o nome do próprio Mano, houve também quem comemorasse a possibilidade.

O prazo final para as convenções partidárias é no próximo dia 5 de agosto, data em que Collor deverá anunciar oficialmente quem será o vice em sua chapa.

veja também

Maycon Resenheiro - @Reprodução
Eleições 2022
Influencer Maycon Resenheiro é candidato a deputado estadual pelo União Brasil

Maycon Resenheiro é mais um palmarino na disputa por uma cadeira na Assembleia Legislativa de Alagoas.


Vereador João Catunda - @Reprodução
Eleições 2022
Patrimônio de João Catunda mais que dobra em 2 anos

João Catunda teve um aumento de cerca de 111,5% no total de bens declarados em apenas dois anos de mandato de vereador.


Bruno Lopes no site do TSE
Eleições 2022
Site do TSE passa a exibir candidatura de Bruno Lopes

Bruno Lopes concorre a uma vaga na Câmara Federal pelo Partido Verde (PV-AL).


Bolsonaro e Lula | © Reprodução
Eleições 2022
Em nova pesquisa, Lula cai 3 pontos percentuais em relação a Jair Bolsonaro

De acordo com os levantamentos, Bolsonaro subiu de 31% para 34%, enquanto Lula recuou de 44% para 41%. A rejeição ao governo caiu em 5%.