publicidade
publicidade
Brasil

Menina de 11 anos que foi estuprada realiza aborto após recomendação do MPF

O Ministério Público Federal havia recomendado o hospital para realizar o procedimento nos casos autorizados pela lei.

Publicado:


Menina de 11 anos consegue realizar aborto | © Reprodução
Menina de 11 anos consegue realizar aborto | © Reprodução

Durante a tarde desta quinta-feira (23/6), o Ministério Público Federal (MPF) informou que o procedimento de interrupção de gestação foi realizado na menina de 11 anos. A criança, havia sido impedida de fazer o aborto após estupro em Santa Catarina.

Através de uma nota emitida pelo hospital que realizou o procedimento, as informações são mantidas em sigilo, em respeito à privacidade dos pacientes e porque o caso segue em segredo de justiça.

O hospital havia recebido a recomendação do MPF para realizar o procedimento nos casos autorizados pela lei, independentemente de autorização judicial, idade gestacional ou tamanho do feto.

A criança descobriu a gestação quando tinha 22 semanas, foi impedida de realizar o procedimento e levada a um abrigo. O caso ganhou repercussão na segunda-feira (20/6), após uma reportagem do Portal Catarinas e The Intercept.

*Com informações de G1
veja também

Bolsonaro em evento - @ Alan Santos/PR
Brasil
Bolsonaro não mandou vice-governadora ir para trás durante evento

No vídeo que mostra apenas em um ângulo, fica parecendo que Bolsonaro se refere a uma mulher, mas de frente fica claro que se dirigiu a outra pessoa


Polícia Civil de MS | © Reprodução
Polícia
Adolescente de 13 anos é estuprada pelo próprio irmão de 11

A mãe dos menores fez a denúncia assim que ficou sabendo do caso.



Varíola dos macacos | © Reprodução
Brasil
Casos de varíola dos macacos aumentam no Brasil

O Brasil já soma 5 casos confirmados de varíola dos macacos. Todos os pacientes no país até agora estiveram na Europa recentemente.


Plantação da maconha | © Reprodução
Brasil
Justiça dá salvo-conduto para plantação de maconha destinada a fins medicinais

"Taxar de maldita uma planta porque há um preconceito com ela, sem um cuidado maior em se verificar os benefícios que seu uso pode trazer, é de uma irresponsabilidade total”, disse o relator da ação.