publicidade
publicidade
Alagoas

Doença da “urina preta”: Dois casos são investigados em Alagoas

As vítimas estão internadas em um hospital particular da capital. Elas teriam consumido peixe durante um almoço em um restaurante na Massagueira, em Marechal Deodoro.

Publicado: | Atualizado em 30/07/2021 16:30


A doença de Haff está associada à ingestão de crustáceos e pescados | © GLYN KIRK/AFP/JC
A doença de Haff está associada à ingestão de crustáceos e pescados | © GLYN KIRK/AFP/JC

Dois supostos casos da Síndrome de Haff, popularmente conhecida como doença da “urina preta”, estão sendo investigados pela Vigilância Sanitária de Marechal Deodoro, região Metropolitana de Maceió. As vítimas estão internadas em um hospital particular da capital.

Conforme relatos de parentes, as duas pessoas apresentaram sintomas característicos da doença, como dores musculares e no pescoço, dificuldade para ficar em pé e a coloração escura da urina. Eles teriam consumido peixe durante um almoço em um restaurante na Massagueira.

A Secretaria de Saúde informou, por meio de uma nota, que diante da hipótese, realizou a interdição cautelar de, em média, 32kg de peixes e encaminhou o produto para análise no Laboratório Central de Saúde Público de Alagoas (Lacen/AL) em parceria com um laboratório especializado.

“O material será rigorosamente examinado e mediante o resultado do laudo, o LACEN-AL e a Vigilância Sanitária de Marechal Deodoro darão prosseguimento à investigação”, informa a VISA na nota.

O Lacen/AL destacou que recebeu as amostras do pescado e revelou que está em processo de análise. O laboratório ressaltou ainda que não há um prazo determinado para a conclusão, uma vez que o processo requer minucioso estudo para comprovar ou descartar a presença da toxina proveniente de algas marinhas no pescado analisado.

Síndrome de Haff

A doença de Haff está associada à ingestão de crustáceos e pescados, e o principal sintoma é o escurecimento da urina, que chega a ficar da cor de café. A síndrome pode evoluir rapidamente: os primeiros sintomas surgem entre 2 e 24 horas após o consumo de peixe, e causa, principalmente, a ruptura das células musculares.

Um dos sintomas da doença, a urina escurecida é uma consequência da liberação de uma substância chamada miogobina no corpo. Essa proteína, tóxica para os rins, é liberada pelo próprio organismo, com a necrose muscular – outro sintoma provocado pela Síndrome.

A doença chamou a atenção da sociedade em março deste ano, quando a veterinária Pryscila Andrade, de 31 anos, morreu após passar 12 dias internada na UTI de um hospital particular do Recife. A suspeita é de que ela tenha contraído a síndrome após consumir um peixe contaminado.

Os estudos científicos publicados até o momento sobre a doença no Brasil relatam que os casos aconteceram após a ingestão dos peixes tambaqui, olho de boi, badejo, pacu-manteiga, pirapitinga e arabaiana — este último foi o peixe ingerido pela veterinária.

veja também

Estádio Rei Pelé, em Maceió | © Secom Alagoas
Alagoas
Alagoas libera público de até 3 mil pessoas em eventos esportivos

No entanto, o número não pode ultrapassar 30% da ocupação total do local; medida consta no Diário Oficial.


Renan Filho e Alexandre Ayres | © Assessoria
Alagoas
Alagoas retoma vacinação de adolescentes contra a Covid-19

Com críticas ao Ministério da Saúde, o governador anunciou a retomada da vacinação para esse público.


A maioria dos pacientes alagoanos aguarda pela doação de córnea: 324 | © Ilustração/Reprodução
Alagoas
Alagoas tem mais de 440 pacientes em lista de espera para transplantes

A maioria aguarda pela doação de córnea: 324. O segundo órgão com maior demanda é o rim, com 121 pacientes na lista de espera.


Profissional da saúde vacinando cidadão contra a Covid-19 | © Assessoria
Alagoas
Covid-19: Alagoas supera 3 milhões de doses de vacinas aplicadas

O estado está cada vez mais perto de concluir a aplicação da primeira dose para toda a população vacinável.